HISTÓRIA DE SABAÚNA, POR ISAAC GRINBERG

 

 

Nesta foto temos uma vista parcial da Sabaúna, onde podemos localizar a Igreja, o Centro de Sabaúna e a Estação Ferroviária. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

Nesta foto temos uma vista parcial da Sabaúna, onde podemos localizar a Igreja, o Centro de Sabaúna e a Estação Ferroviária. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

    O Distrito de Sabaúna, no Município de Mogi das Cruzes, fica situado à margem da Estrada de Ferro Central do Brasil, entre as Estações de Mogi e Guararema.

    Como nasceu ele?

    Volvamos a 1627.

    Nesse ano, Álvaro Luiz do Valle, "Capitão-mór da Capitania de São Vicente, procurador bastante e sesmeiro do Conde de Monsanto, donatário da Capitania", doou ao Convento do Carmo de Mogi as terras que mais tarde abrigariam Sabaúna. Essa Sesmaria constava de légua e meia de testada (frente) e uma légua de sertão. Muitos anos depois, em 1768, Frei Thomé Alves de Christo comprou mais uma gleba junto à anterior. A nova área tinha trezentas braças de testada e meia légua de sertão e o frade em questão pagou por ela aos seus proprietários - Ignácio Pedroso e sua mulher Antonia do Rosário - a quantia de 51$200...

Aqui vemos a antiga Igreja de Sabaúna e a Praça que fica em frente. Este prédio já não existe mais, tendo sido construída outra Igreja em seu lugar. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

Aqui vemos a antiga Igreja de Sabaúna e a Praça que fica em frente. Este prédio já não existe mais, tendo sido construída outra Igreja em seu lugar. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

    A partir de então, a propriedade passou a ser beneficiada pelos Frades do Carmo e dela vinham todos os mantimentos para o sustento dos religiosos e dos escravos que viviam no Convento de Mogi. Além de gêneros, a fazenda rendia ao Carmo, da mesma forma, boa quantia em dinheiro. Em 1826, por exemplo, ela produziu 109$200, do aluguel que lhe pagavam cinqüenta e oito arrendatários e quatro foreiros. Plantava-se ali, por essa época, milho, feijão, arroz, amendoim, cana e algodão.

    Em fins do século passado (XIX), no entanto, o governo estadual resolveu adquirir aos frades do Carmo a sua fazenda de Sabaúna. E o fez - segundo o Relatório de 14 de Abril de 1893, do então Secretário da Agricultura, Dr. Jorge Tibiriçá - mediante permuta por Dez Apólices da Dívida Pública...

    A 23 de Abril de 1889 uma comissão nomeada pelo Governo do Estado dava início aos trabalhos de medição da fazenda e a 12 de Dezembro tinha início o serviço de colonização, com uma família de tiroleses, de quatro pessoas.

    Nascia, assim, o "Núcleo Colonial de Sabaúna", que já em 1900 tinha 1.111 habitantes, dos quais 597 homens e 514 mulheres. Das famílias ali estabelecidas nesse ano, setenta e cinco eram brasileiras, oitenta espanholas, vinte e oito italianas, nove alemãs, duas francesas, uma belga, duas austríacas, uma africana e três portuguesas, num total de duzentas e uma famílias.

Aqui temos uma vista da Rua Principal de Sabaúna, com destaque para a Estação à esquerda. Esta foto foi tirada por ocasião da Festa do Divino ou comemorações da Festa do Padroeiro da Igreja de Sabaúna. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

Aqui temos uma vista da Rua Principal de Sabaúna, com destaque para a Estação à esquerda. Esta foto foi tirada por ocasião da Festa do Divino ou comemorações da Festa do Padroeiro da Igreja de Sabaúna. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

    Sabaúna é distrito de paz de Mogi das Cruzes desde 27 de Dezembro de 1920. Abriga hoje várias fazendas e desenvolvida indústria. E muitos de seus melhores filhos são herdeiros da fibra de seus primeiros colonizadores, descendentes daquelas duzentas e uma famílias do princípio do século...

 

Vista da Praça da Igreja de Sabaúna. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

Vista da Praça da Igreja de Sabaúna. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

MAIS APONTAMENTOS A RESPEITO DA HISTÓRIA DE SABAÚNA

    Segundo os moradores, o nome Sabaúna vem do Tupi-Guarani e significa "Concha Preta", uma espécie de molusco de água doce cuja pronúncia é "Tamba Una", que segundo os antigos, existia em grande quantidade no Ribeirão Guararema. Podemos notar no desenho/logotipo localizado no topo da página uma interpretação deste significado. Temos uma concha preta, e o nome "Sabaúna" estilizado com o Ribeirão Guararema cortando-o ao meio.

    Uma curiosidade interessante, é que Sabaúna está geograficamente localizada no Vale do Paraíba, nos contrafortes da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira. Na verdade podemos dizer que o Vale do Paraíba para quem vem da Capital, começa ali. O Ribeirão Guararema, que corta a localidade, deságua em Guararema no Paraíba do Sul, depois de serpentear e cortar diversas vezes a via férrea.

    É interessante citar também, que a localidade de Luís Carlos, era parte de Mogi das Cruzes até ser desmembrada e incorporada à Guararema.

    Sabaúna teve grande impulso no final do Século passado com a criação de uma Estação no povoado, e pouco tempo depois com o início da colonização da localidade com a vinda de diversas famílias de inúmeras nacionalidades. Depois ainda tivemos a inauguração do trecho da antiga São Paulo-Rio SP66, que passa próxima ao centro do núcleo, trazendo outro impulso ao Distrito. Por fim, Sabaúna veio a ser servida por uma Indústria que se instalou às margens da Ferrovia, trazendo um novo ânimo ao local.

    A Respeito das datas de referência do Aniversário de Sabaúna, temos o seguinte:

1627 - Primeiro registro que se tem notícia com o nome Sabaúna em algum documento.

27 de Dezembro -  Dia e Mês da criação do Distrito. Desprezou-se o ano (1920), pois avaliou-se que seriam poucos anos a serem comemorados na época (1983 - ano da primeira festa de aniversário). Como nesse período do ano ninguém iria querer saber de festa cívica (desfile, palanque, etc...), decidiu-se convenientemente por se fazer a Comemoração sempre no último final de semana de Novembro.

Nesta foto vermos a construção da Fábrica, onde hoje funciona a FAME (Materiais Elétricos), e temos outra vista de Sabaúna, podendo ser localizados novamente, o Centro, a Igreja e a Estação de Sabaúna. Foto da Coleção de Marcos Figueira.

Nesta foto vermos a construção da Fábrica, onde hoje funciona a FAME (Materiais Elétricos), e temos outra vista de Sabaúna, podendo ser localizados novamente, o Centro, a Igreja e a Estação de Sabaúna. Foto da Coleção de Marcos Figueira.


 

FONTES BIBLIOGRÁFICAS

GRINBERG, Isaac; Mogi das Cruzes de antigamente. São Paulo, 1964. (Transcrição)

 

COLABORAÇÃO

Christoffer R.

Cleide Soares

 

 

PARA SABER MAIS:

 

    Você pode conhecer mais sobre Sabaúna, através da Coluna publicada na Seção "A História nos Trilhos", que além de uma belíssima Crônica, possui o Histórico da Estação que completou 111 anos em 1.º de Janeiro. Clique e confira!Ir para o Topo!

 

 

 

Conheça também o restante do Site da ANPF

©ANPF 2003-2004 - Direitos Reservados

http://www.anpf.com.br